Crianças em férias no condomínio: tome um cuidado extra com a eletricidade!

“A criançada nas áreas comuns ou nos apartamentos durante o dia, com o que devemos nos preocupar em relação à eletricidade?”

As férias estão aí e temos ainda um bom período pela frente com esta criançada circulando por todo condomínio e os apartamentos, cheias de energia e precisando gastá-la em suas atividades. E elas acabam usando muitos equipamentos eletroeletrônicos para ajudar a passar o dia, como videogame, computador, tablet, celular, ventilador e ar condicionado.

Dentro de cada unidade o perigo está no manuseio destes equipamentos ligados na tomada. É muito comum, por falta de tomadas, o uso dos benjamins (tês) ou extensões, que também são chamados de filtros de linha, pois com tanto equipamento não há tomada que dê conta. Então a dica é ensinar a garotada a tomar cuidado com estas ações, ou seja, a de ligar e desligar estes equipamentos da tomada ou da extensão.

O síndico bem pode passar circulares com essas dicas. Por exemplo, deve-se pegar pelo plugue, tomando o maior cuidado para não encostar nas partes metálicas para não sofrer o choque elétrico, que a propósito, pode matar, mesmo sendo em tensões pequenas como 110 volts. Também é importante que a instalação esteja dimensionada corretamente, para que os dispositivos de proteção (disjuntores, DR e DPS) atuem sempre que uma situação de risco ocorrer. Se o condômino não tem todos estes dispositivos instalados em casa, é preciso orientá-lo a fazer uma revisão e uma reforma na instalação elétrica da unidade para garantir a segurança (recomenda-se que a cada cinco anos seja feita uma revisão completa da instalação elétrica).

Mas o risco não está somente dentro de casa, a área comum dos condomínios também são locais onde o risco deve ser controlado. Uma avaliação da situação das instalações elétricas da área comum deve ser realizada a cada ano. Nesta avaliação o profissional deve verificar todas as partes da instalação para verificar se esta não oferece risco para os usuários da área comum, como, por exemplo, choque elétrico ou o risco de aquecimento excessivo que pode iniciar um incêndio. Abaixo algumas dicas do que deve ser verificado nesta avaliação, lembrando que o checklist deve sempre ser realizado por um profissional habilitado.

Verifique:
Se não há condutores (fios e cabos) danificados, expostos ou mal-isolados;
Se as tampas de caixas de passagem, tomadas e interruptores não estão danificadas ou em falta;
Se os quadros de energia estão todos protegidos, não permitindo que ao abri-los se tenha acesso aos condutores, barramentos e qualquer parte viva que possa provocar choque elétrico;
Se não há fios, extensões e qualquer tipo de alimentação de energia elétrica em locais com possibilidade de umidade como piscinas, bares, cozinhas, além de locais de circulação de pessoas entre outros;
Se o centro de medição e transformação (cabine de força) está devidamente trancado e a chave encontra-se em posse de pessoa autorizada e habilitada;
Se todos os postes, grades e estruturas metálicas estão devidamente aterradas;
Se o SPDA – Sistema de proteção contra descargas atmosféricas, mais conhecido como para-raios, está devidamente instalado e inspecionado.

Observe que estas são algumas dicas, mas é extremamente importante que se faça a avaliação completa da instalação, providenciando as adequações necessárias de forma periódica, e a cada intervenção na instalação, seja ela por qual motivo for, uma nova avaliação seja realizada para garantir sempre a segurança de todos, evitando assim transtornos para os responsáveis.

Fonte: Direcional Condomínios
Compartilhar

Por: ABRASP

0 comentários:

Postar um comentário

ABRASSP - Associação Brasileira de Síndicos e Síndicos Profissionais