O preço médio do condomínio em 25 bairros de São Paulo

Quer saber se você paga caro ou barato? Levantamento do portal VivaReal mostra o preço médio do condomínio em 25 bairros de São Paulo

Condomínios: Funcionários, segurança e dívidas são os itens que mais encarecem condomínios (Slonme/Thinkstock)

São Paulo – Basta andar algumas quadras no mesmo bairro para encontrar condomínios pelo dobro do preço. Para você saber se paga caro ou barato, o portal imobiliário VivaReal realizou um levantamento do preço médio dos condomínios nos bairros mais buscados de São Paulo, a pedido de EXAME.com.

A pesquisa mostra o preço médio do condomínio nos cinco bairros mais buscados em cada zona de São Paulo, para dois perfis de apartamentos: com até 50 metros quadrados e até 70 metros quadrados.

O valor médio do condomínio varia de 280 reais, no bairro Pirituba, na zona Norte, até 1.000 reais, em Moema, na zona Sul.

Os valores da pesquisa servem como balizadores para encontrar ofertas mais baixas, já que o condomínio pode fazer bastante diferença no orçamento. No mesmo bairro, há grandes variações de preços, segundo o CEO do VivaReal, Lucas Vargas.

“O preço varia mais onde o valor do metro quadrado é mais baixo. Em regiões mais caras, o padrão dos condomínios é mais parecido”, explica.

A seguir, confira o levantamento completo do preço médio do condomínio nos cinco bairros mais buscados em cada zona de São Paulo:
Centro
BairroPreço médio do condomínio para imóvel de até 50 m²Preço médio do condomínio para imóvel de até 70 m²
Bela Vista R$ 450 R$ 570
Consolação R$ 555 R$ 554
Aclimação R$ 400 R$ 534
Santa Cecília R$ 424 R$ 500
Higienópolos R$ 725 R$ 660

Zona Leste
BairroPreço médio do condomínio para imóvel de até 50 m²Preço médio do condomínio para imóvel de até 70 m²
Tatuapé R$ 380 R$ 450
Mooca R$ 370 R$ 500
Vila Prudente R$ 320 R$ 400
Vila Carrão R$ 293 R$ 440
Vila Formosa R$ 370 R$ 420

Zona Norte
BairroPreço médio do condomínio para imóvel de até 50 m²Preço médio do condomínio para imóvel de até 70 m²
Santana R$ 446 R$ 545
Pirituba R$ 280 R$ 400
Freguesia do Ó R$ 379 R$ 410
Casa Verde R$ 370 R$ 475
Limão R$ 360 R$ 400

Zona Oeste
BairroPreço médio do condomínio para imóvel de até 50 m²Preço médio do condomínio para imóvel de até 70 m²
Pinheiros R$ 750 R$ 700
Perdizes R$ 588 R$ 665
Butantã R$ 380 R$ 480
Barra Funda R$ 350 R$ 485
Vila Leopoldina R$ 400 R$ 550

Zona Sul
BairroPreço médio do condomínio para imóvel de até 50 m²Preço médio do condomínio para imóvel de até 70 m²
Vila Mariana R$ 591 R$ 620
Moema R$ 1.000 R$ 820
Brooklin R$ 564 R$ 660
Ipiranga R$ 350 R$ 500
Morumbi R$ 450 R$ 510

Como saber se você paga caro pelo condomínio

Ao contrário do que muita gente pensa, não são itens aparentes como piscina, academia ou garagem que mais encarecem o preço do condomínio.

Para avaliar se vale a pena pagar um valor mais alto, é preciso se informar sobre os serviços que o prédio oferece e o seu histórico financeiro, como recomenda o advogado especialista em condomínios Márcio Rachkorsky.

“Não dá para comparar preços sem equiparar os serviços oferecidos e o histórico financeiro dos prédios”, orienta. Em geral, condomínios com mais apartamentos são mais baratos, mas, para isso, você precisa estar disposto a conviver com mais vizinhos para ratear as despesas.

Entre os serviços que mais pesam, estão o número de funcionários e o nível de segurança do prédio. “Porteiro eletrônico é mais barato do que portaria, enquanto segurança na rua e ponto extra de vigilância são mais caros. Do que você está disposto a abrir mão para pagar menos?”, questiona o advogado.

Serviços de lavanderia e consertos residenciais também encarecem a taxa, além da quantidade de elevadores, cuja manutenção é cara.

Antes de alugar ou comprar um imóvel, é recomendável se informar se o condomínio tem dívidas a quitar, de más administrações anteriores. “O ideal é conversar com a administradora do prédio ou com moradores para saber se o condomínio está com as contas em dia ou se os condôminos estão pagando por dívidas antigas”, ensina.

Fonte: exame.com
Compartilhar

Por: Paulo Melo

0 comentários:

Postar um comentário

ABRASSP - Associação Brasileira de Síndicos e Síndicos Profissionais