O síndico tem que manter a caixa d’água do condomínio em dia

Além do vazamento promover desperdício de água, ele pode acarretar em danos à estrutura da caixa d’água – por isso é tão importante manter a impermeabilização em dia

O síndico deve estar atento, ainda, à limpeza correta da caixa d’água, para garantir uma água segura para o consumo de todos os moradores.

Você sabia que o síndico é responsável pela limpeza e devida manutenção da caixa d’água do condomínio e que, se algum condômino passar mal devido a má qualidade da água, ele poderá ser acionado, inclusive judicialmente? Pois é assim que funciona na prática. Por isso, a atenção a este assunto é fundamental na gestão de condomínios.

Vamos explicar aqui qual deve ser a frequência ideal da do prédio e lembrar que, em alguns estados existem até leis que definem a periodicidade da limpeza. Em São Paulo, por exemplo, a lei determina a limpeza no mínimo duas vezes por ano. Mas, afinal, como e porque a limpeza da caixa d´água deve ser feita e como encontrar a empresa ideal pra este serviço? É isso tudo que veremos a seguir.


Dicas para manter a caixa d’água do condomínio em dia

Todo cuidado com o local que armazena a água de todo o condomínio ainda é pouco. Mesmo que no seu estado não exista uma lei específica para isso, os especialistas no assunto recomendam esta mesma periodicidade: a limpeza deve ocorrer no mínimo duas vezes por ano. Somente assim, o local estará em condições higiênicas adequadas.

Também há períodos do ano mais apropriados para a limpeza das caixas d´água. A execução do serviço deve ocorrer em outubro e fevereiro. Desta forma, o condomínio fica devidamente preparado para a maior demanda do verão e também para o inverno. Afinal, ninguém quer ficar sem água limpa e saudável em pleno verão ou inverno, não é mesmo?

Outro cuidado é não depender de um funcionário contratado para fazer esta limpeza da caixa d’água e nem querer dar conta do recado pessoalmente. O ideal é escolher uma empresa idônea e especializada neste tipo de serviço.

Garanta a segurança e eficácia do serviço

Antes de optar por uma empresa especializada, analise se ela tem funcionários capacitados com treinamentos específicos para realizar esse serviço. Pergunte, também, se ela tem alvará da vigilância sanitária para funcionar.

Cheque se os funcionários usam os equipamentos de proteção individual (EPIs): luvas, galochas, máscaras de proteção simples. Isto é muito importante porque os trabalhadores vão se expor a produtos químicos, além de trabalhar na altura. É uma questão de segurança. 

Escolhida a empresa, é hora de acompanhar o trabalho de limpeza, verificando se os procedimentos a seguir estão sendo realizados:
Observação da estrutura externa do reservatório de água;
Fechamento da entrada de água;
Esvaziamento do reservatório;
Escovação das paredes internas e da tampa;
Remoção do lodo para evitar a entrada de sujeira nas tubulações;
Eliminação de toda a sujeira, inclusive manchas;
Enxágue com água e mais um esvaziamento;
Fechamento adequado do reservatório com lacre e cadeado, de modo a impedir a entrada de qualquer elemento estranho.

Feito isso, deixe encher o reservatório e a água está pronta para ser liberada para o consumo dos condôminos. Anote a data da limpeza e providencie uma análise bacteriológica para garantir a eficiência da limpeza realizada.

Limpeza e impermeabilização

Faça também o teste de potabilidade, que é uma análise físico-química laboratorial que detecta a presença de bactérias, germes ou outros organismos nocivos às pessoas. Às vezes, as próprias empresas que fazem a limpeza oferecem este teste, mas recomendamos que seja feito em laboratório.


Compartilhar

Por: Paulo Melo

0 comentários:

Postar um comentário

ABRASSP - Associação Brasileira de Síndicos e Síndicos Profissionais